quinta-feira, agosto 23, 2007

Corunha - Toulouse
(Dia Dois)

A ponte St Pierre e a Cúpula de Lagrave, como eu as vi em Toulouse a 11 de Março de 2005.

The Delays - Faded Seaside Glamour

À minha frente, o rio Garonne patina suavemente para o Atlântico. Escrevo de uma esplanada em fim de festa na nocturna Place de St. Pierre, a última a adormecer em Toulouse.
Hoje o dia começou cedo, ao contrário da distracção e preguiça de ontem. Saltei da cama para saltar para um refrescante banho no mar, numa sucessão de pulos e piruetas que terminaram à hora marcada na estação principal da Corunha. Isto depois de espreitar de perto a Torre de Hércules e de deslizar o meu olhar húmido pela beleza poética das vidros sucessivos e geométricos das janelas sobre o porto da cidade. Maldição minha não ter a arte de as saber bem fotografar...
Não podia facilitar. Hoje tinha que fazer muitos quilómetros sob pena de transformar as minhas férias pela Europa num descanso ibérico. É que isto de andar em carris tem os seus defeitos. A ligação a França pelas grandes linhas excluiu-me a possibilidade de percorrer a fachada norte atlântica espanhola, feita de pequenas vilas piscatórias de praias acolhedoras, como a de São Vicente de la Barquera, e paisagens de encaixes urbanos indescritíveis, por exemplo Luarca.
O percurso fez-se pelo sopé meridional dos Picos da Europa, onde a paisagem é, ainda que poderosa, um pouco monótona na cadência amarelada e plana da meseta. O sono trazido do dia anterior e o atlético mergulho matinal empurravam-me as pálpebras para o chão à medida que me encaixava nos sofás confortáveis do ferrocarril da Renfe.
Despertei, bastante mais tarde e com alguma sorte, duas estações antes de Burgos onde pretendia fazer uma espécie de almoço, numa das Bodegas do centro histórico, onde a famosa morcilla é prato obrigatório. A ela juntei umas patatas bravas e um pincho exageradamente marcado pelo colorau, que apimentou o meu apetite para uma fotografia envergonhada da catedral, marco antigo do Caminho de Santiago para quem vinha de Bordéus.

A catedral de Burgos vista por mim a 11 de Agosto de 2003.


Antes que a siesta se apoderasse de mim, já estava na estação pronto para nova investida rumo a oriente. Destino: San Sebastian.
O percurso foi longo, mas a paisagem basca diverte a retina do olhar de qualquer um, graças à arquitectura de chalet, marcada pelo multicolor e pela forma como o humano encaixa meticulosamente no natural. Casas de madeira espalhadas pelas encostas ou aglomeradas em pequenas vilas encantadoras, junto a riachos de águas rápidas e frescas. Aqui e ali, estruturas industriais robusteciam os lugares, não os tornando mais belos, é certo, mas dando-lhes aquele toque maquinal que sempre encerra em si algum fascínio.
A chegada a San Sebastian, ou Donostia como lhe chamam os Bascos, foi pincelada por um belo entardecer que me ofereceu uma temperatura ao meu estilo, mais temperada no termómetro e no paladar salgado, por oposição ao calor abafado do interior espanhol, seco e tenso. No meu passeio pela capital do País Basco pude apreciar o skyline recortado das mansões junto à praia, lembrando a proximidade francesa e o glamour do passado da cidade, antigo retiro rico de veraneantes. A baía de la Concha transforma San Sebastian numa micro versão europeia do Rio de Janeiro, permitindo uma temperatura de água do mar invejável e um panorama delicioso, pontuado pela ilha de Santa Clara que aproxima os dois cabos nas extremidades da praia. Ainda pensei em ficar para o jantar, até porque a genuína pescada koskera (feita com camarão e espargos) é irresistível, mas o desejo de passar rapidamente os Pirinéus e chegar a Toulouse apressou o meu passo. Acabei por me despedir da imensidão marítima com um helado de fresa na mão e uma dorzinha de saudade no peito.
Aqui cheguei, já tarde, esfomeado e rezingão pela demora na transição fronteiriça de Irun para Hendaye. Correrias loucas em busca de novo comboio como consequência da mudança de bitola, nem me deixaram aproveitar aquele ambiente de cais de embarque, de contentores empilhados e gruas em exercício, onde cada movimento é suspeito de um qualquer crime misterioso de contrabando.
À chegada a Toulouse, e depois de devidamente instalado, apontaram-me esta praça como a última hipótese de um snack. Ça va. O hip hop de língua francesa e o MCM no televisor eram escusados, mas, cá fora, a vista para a ponte e para a cúpula compensam o desagrado pela experiência auditiva.
Depois de ter sido explorado por uma sanduíche mal amanhada e um café sensaborão, caminho lentamente para o gradeamento que me separa do rio e me isola com a paisagem. Espreito para baixo tombando a cabeça e, apesar da escuridão nocturna, a limpidez e a leveza escorregadia do Garonne reflectem a minha face cansada.
Longe de casa e do mar, escrevo numa outra folha deste diário as três palavras mágicas da canção que ecoa na minha cabeça: faded seaside glamour.
Amasso vigorosamente a folha na minha mão direita e vandalizo de forma imperdoável a perfeição do quadro, atirando em arco o papel amassado para o deleitoso Garonne. Ali vai ele veloz enquanto a minha imagem se dilui nas ondas de propagação do embate.
O rio, tal como a minha vida, é um quadro imperfeito de mensagens apagadas pela força das águas. Chegará ao mar.

Etiquetas: , ,

4 Carruagens:

Anonymous Kate said...

Para alem das belas paisagens que nos "mostras" ainda temos direito a roteiro gastronomico :-)
Todo o texto esta' lindo, mas os 3 ultimos paragrafos estao particularmente poeticos.

quinta-feira, agosto 23, 2007 1:53:00 da tarde  
Blogger JRP said...

A parte gastronómica é essencial... e não ficará por aqui.
Beijinho, Kate!

quinta-feira, agosto 23, 2007 3:35:00 da tarde  
Anonymous Kate said...

Estou deliciada ;-)

quinta-feira, agosto 23, 2007 5:20:00 da tarde  
Blogger PCS said...

Magnificas fotos! A primeira está fenomenal. A segunda é já uma marca tua! Os sempre fotogénicos candeeiros:)
Fiquei deliciado com o texto...apetece fazer esta viagem! É que da Corunha ainda não passei:(

sexta-feira, agosto 24, 2007 12:05:00 da manhã  

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Entroncamentos:

Criar uma hiperligação

<< Home