segunda-feira, setembro 25, 2006

Depois da tempestade

Mesmo depois da tempestade, junto àquela janela, na quinta-feira, ao princípio da noite.


"sigo o caminho de areia que desliza
entre o rochedo e a duna
a chuva de Verão chove sobre a minha vida
sobre mim a minha vida que me foge e persegue
e acabará no dia em que principiou

amado instante agora que o contemplo
na cortina de bruma que vai cedendo o passo
onde não mais pisarei estes longos solos movediços
e viverei o tempo de uma porta
aberta agora fechada depois
"
Beckett, Samuel (1970) Poemas 1937 - 1949

E tudo parece sereno.
Apenas quando semicerro a boca seca sinto algum estremecimento cá dentro, vagueando pelas vias e veias, pelas artérias e ruas que constroem o miolo do meu âmago.
Lá fora, o espelho húmido reflecte o mais profundo dos chãos e deixa-se escorrer, limpando as folhas que restam da estação que passou, entre a placidez e a pacatez dos sons cristalinos da água.
Mesmo a ligeira brisa que perpassa aqui e além, entre momentos de quietude, é calma e tranquila e acompanha solenemente as últimas réstias de luz que sobram como as folhas do chão, como se fossem um último suspiro sem força, uma nova esperança de vida.
Mas brevemente a noite cairá. Mansa e terna. Pedaço de papel em branco à espera de ser escrito, escrevinhado, rabiscado, desenhado, sob um céu escuro de sombras.
Enquanto as primeiras candeias se acendem, dentro de mim, o tráfego acalma, na tranquilidade amorfa das horas depois da hora de ponta, chapinando de água os edifícios que ergui, no tempo que agora finda.
Passo após passo, tic após tac, a serenidade adormece-me até ao primeiro rebento da palmeira.
_____________

P. S. 1 - Faz lembrar o Abílio (Ex-FC. Porto, Leixões e Salgueiros. Alguém se lembra?), um rei sem trono ou Le God sem Olimpo. Dedicada à série "Faz Lembrar..." do Maradona e, obviamente, a Matthew Le Tissier (via Curva).
P. S. 2 - Também temos um ciclame igual a esse cá em casa. Mas uma maldita lagartixa divertiu-se à grande e à francesa com as suas suculentas e coloridas flores... Agora está em quarentena. Más notícias, infelizmente, essas que nos trazem.
P.S. 3 - Aqui termina a trilogia (1, 2, 3).

Etiquetas: ,

0 Carruagens:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Entroncamentos:

Criar uma hiperligação

<< Home